quinta-feira, 16 de julho de 2015

MORE WORKS





   - BACK, 2015
   - drawing on paper
   - 110 X 75 cm






    - I NEVER KNOW HOW TO BGN A DRAWING, 2015
    - drawing on paper
    - 110 X 75 cm    






  - I KEEP DURSTY, 2015
  - Drawing on Paper
  - 210 X 200 cm





         - STATION DESRT, 2015
         - Drawing on Paper
         - 220 X 240 cm                                      





       - PEOPLE AIN-T NO GOOD - BLANKET, 2015
       - Acrylic & Spray paint on Blanket
       -  201 X 193 cm  


                                


    - REASONABLE REASON FOR LIVING, 2015
    - Drawing on Paper
    - 200 X 210 cm





         - AWAKE _ THIS IS NOT A LOVE SONG, 2011/2015
         - mixed media on paper
         - 150 X 230 cm
                                           



quinta-feira, 16 de abril de 2015

UNSPOKEN WORDS # A DRAWING MATTER - Biblioteca Municipal de Stª. Maria da Feira



- UNSPOKEN WORDS # A DRAWING MATTER - Biblioteca Municipal de Stª. Maria da Feira

- 21 Março a 7 Maio, 2015


video



UNSPOKEN WORDS # a drawing matter

A Exposição:

- A sala de exposições temporárias da Biblioteca Municipal é o espaço designado para mostrar um conjunto de obras de criação recente em diálogo com algumas de génese mais recuada.  O espaço disponível, dadas as suas características quanto à configuração e escala, num primeiro momento levou-me a ponderar sobre a selecção das obras. Não tendo intenções de programar uma intervenção site-specific, no “verdadeiro” tom da palavra, com levantamentos da toponímia arquitectónica do local, ou com estudos prévios riscados em planos e intervenção; o desenvolvimento da proposta inicial acabou por dar origem a uma certa posição antagónica, difícil de definir. Para melhor entendimento proponho vermos o âmago da questão, o desenho. O desenho no seu contexto actual e contemporâneo, as formas que assume e se manifesta, os seus limites. Desta forma, falar do processo que levou à concretização desta exposição, é falar do desenho; isto se pensarmos que na actualidade deixou de se considerar relevante aquilo que se representa ou se reconhece no desenho, para se realçar a importância do como é desenhado, do processo. No seguimento deste raciocínio, as obras a seleccionar estariam à partida marcadas quanto à sua especificidade conceptual. Abrangendo grande variedade de suportes, do papel ao cartão, da tela à madeira; e de técnicas ou meios, do simples lápis riscador, ao marcador, à lata de aerossol, do uso da luz néon, ao vídeo e à forma tridimensional; o desenho em manifesta pulsão.












Sobre a arte de Paulo Moreira
Sobre a arte de Paulo Moreira poder-se-ão dizer todas as aleivosias possíveis, como sempre acontece quando alguém rejeita seguir ditames, tendências ou modinhas efémeras e constrói, num misto de inconsciência e tenacidade, o seu próprio trilho. Menos uma: a de que a sua obra está contaminada com o vírus mortal do conformismo.
Perscrutemos os trabalhos aqui reunidos, sopesemos a contundência das imagens neles expressas e, no final, concluiremos invariavelmente quão próximas a arte e a vida podem afinal estar, como se assumissem um compromisso uno, à margem de todas as convenções.
Com uma diferença notória, porém. Se, na maioria dos casos, a passagem dos anos faz sucumbir os ideais pelos quais lutámos durante a juventude, engrossando deste modo o exército de desistentes, a arte de Paulo Moreira, pelo contrário, afirma-se cada vez mais livre e indomável.
Exemplos? A apropriação de símbolos associados a esferas mercantis ou narcotizantes, a saturação iconográfica 'ad nauseum' ou as frases protorevolucionárias, anunciando futuros pós-apocalípticos, são apenas alguns deles, extraídos aleatoriamente de uma lista quase interminável.
Mais do que uma forma de estar que contrasta com o carreirismo (e demais ismos) do atual circuito das artes plásticas, louve-se, sim, a energia primeva com que o artista se entrega a cada novo projeto.
Se “A arte é uma mentira”, título da sua última exposição na galeria Serpente, no Porto (2015 – março), tal não significa que se resvale para o niilismo de tudo recusar sem nada propor. Pelo contrário. A desejada rebelião faz-se da denúncia, numa primeira fase, mas também da ação, com que se encetam as ansiadas mudanças.
Paulo Moreira assimilou bem ambas.


Sérgio Almeida
(jornalista)


video

A ARTE É UMA MENTIRA - PINTURA - GALERIA SERPENTE, Porto - 7 Março a 24 Abril




- A ARTE É UMA MENTIRA - PINTURA - GALERIA SERPENTE, Porto

- 7 Março a 24 Abril, 2015 -

http://www.galeriaserpente.com